Maracas




O Maracá portanto, sinaliza o poder espiritual, que pode atrair bons espíritos e se defender dos maus. Talvez, pelo fato de ser um instrumento religioso, trazido pelos pajés das cerimônias litúrgicas e, por isso, guardado com reservas especiais entre os despojos dos sacerdotes indígenas, ele tenha chegado até nós, com esse aspecto multifário. A figura ao lado mostra a dança Tupinambá com maracá na mão e chocalho em fieira nas pernas, gravura de Tehodor de Bry, (ca. 1528-1598), reproduzida do livro Viagem à Terra do Brasil de Jean de Léry, reed. Liv. Martins Fontes, SP, ca..1940, cop.edição orig. de 1578. Segundo Luix Vidal, um maracá é um instrumento musical mas pode ser entendido, em uma dada sociedade indígena, como a representação simbólica das vozes das substâncias dos espíritos e divindades que chegam à aldeia em momentos especiais: as cerimônias em que os pajés (e só eles) tocam o maracá. O uso do instrumento significa, literalmente, um ato de produção de música, de ritmo; ganha, além disso, uma significação extra, sobreposta à primeira: este instrumento musical, usado neste contexto ritual e por pessoas com saberes e habilidades especiais de comunicação com os deuses, passa a significar, simbolicamente, a visita, a chegada dos espíritos ao mundo dos vivos. Seu som sacraliza o momento e o lugar onde esta experiência é vivida.







O Maracá no contexto indígena

Faz-se necessário para o estudo do Maracá descobrir mais acerca da palavra. Segundo o dicionário Aurélio maracá seria:
1. Instrumento chocalhante que era usado pelos índios nas solenidades religiosas e guerreiras; bapo, maracaxá, xuatê.
2. Chocalho que acompanha certas músicas e danças populares, como, p. ex., o samba e o baião.
3. Chocalho que serve de brinquedo às crianças.
Seguindo a primeira hipótese buscamos na literatura clássica sobre xamanismo citações sobre o uso do maracá entre os indígenas. E encontramos citações bem interessantes, entre elas:
“Embora a indumentária ritual seja bastante rara na América do Sul, certos acessórios do feiticeiro fazem as suas vezes; entre eles podemos citar o maracá, chocalho, feito de cabaça em cujo interior há grãos ou pedrinhas, sendo munido de um cabo. Esse instrumento é considerado sagrado, e os tupinambás chegam afazer-lhe oferendas de alimentos.” (A. Metraux apud. Eliade, 1951)
Além dessa citação, no livro "O Xamanismo e As Técnicas Arcaicas do Êxtase" de Mircea Eliade, encontrasse uma outra menção ao maracá. Está citação faz, para os indígenas, um paralelo do maracá com o universo, isto é, dentro da cabaça do maracá estaria contido um universo.
"Se o tambor é o instrumento do xamanismo na Sibéria e na América do Norte, na América do Sul é quase totalmente substituído pelas maracás. Tal como o tambor siberiano, que se diz ser feito da árvore do mundo, também o cabo da maracá sul-americana simboliza esta árvore, ao passo que o volume oco do instrumento propriamente dito simboliza o cosmo. As sementes, cristais ou seixos contidos no seu interior são os espíritos e as almas dos ancestrais. A agitação da maracá torna os espíritos ativos, que então passam a prestar assistência ao xamã." (Eliade 1951)
Em seu estudo sobre as origens incas do culto a ayahuasca o pesquisador Eduardo Bayer em seu livro "O Verdadeiro Inka", traz um relato deveras interessante, pois em seu segundo anexo trata da tradução de um texto conhecido como "Historia do Futuro" escrito pelo Padre Antônio Vieira e a partir dele traça um paralelo entre o uso indígena da ayahuasca com a posterior cristianização da bebida através de Raimundo Irineu Serra. No entanto o que nos importa aqui são os trechos do documento de Pd. Antônio Vieira em que trata do maracá. Reproduzindo na integra o dialogo entre a tradução de Bayer e os escritos de Vieira segue:
"... Para inteligência do verdadeiro entendimento deste texto ou enigma, se há de supor que a palavra latina cymbalum, com que significamos os nossos sinos de metal, significa também qualquer instrumento com que se faz som e estrondo; e tais eram os címbalos de que usavam antigamente os Gentios, que se chamavam por nomes particulares sistros, crótalos, ou crepitáculos e por nome geral címbalos. (...) Também se há de supor que os Maranhões usavam de uns instrumentos que chamavam maracás, não de metal, porque o não tinham, senão de cabaços ou cocos grandes, dentro dos quais metiam seixos ou caroços de várias frutas, duros e acomodados a fazer muito estrondo e ruído, servindo-se dás menores nas festas e nos bailes e dos maiores nas guerras. Estes maracás eram propriamente os seus címbalos ou sinos, tanto assim que, depois que viram os sinos de que nos usamos, lhes chamam itamaracás, que quer dizer, maracás ou sinos de metal. As maiores embarcações dos Maranhões chamam-se maracatim, derivado o nome da palavra maracá, que como dissemos, significa entre eles sino e a razão de darem este nome às suas maiores embarcações era porque, quando iam às batalhas navais, quais eram ordinariamente as suas, punham na proa um destes rnaracás muito grandes, atados aos gurupés ou paus compridos; e bulindo de indústria com eles, além do movimento natural das canoas e dos remeiros, faziam um estrondo barbaramente bélico e horrível; e porque a proa da canoa se chama tim, tirada a metáfora do nariz dos homens ou do bico das aves, que têm o mesmo nome, e juntando a palavra tim com a palavra maracá, chamavam àquelas canoas ou embarcações maiores maracatim, e este nome usam até hoje, e com ele nomeiam os nossos navios.
[...] Digo, pois, que fala o texto de verdadeiras asas de aves. Como aqueles gentios não tecem, nem têm panos, é grande entre eles o uso das penas pela formosura das cores com que a natureza vestiu os pássaros, e particularmente o chamado guará, de que há infinita quantidade, grandes e todos vermelhos, sem mistura de outra cor; destas penas se enfeitam quando se querem pôr bizarros, e principalmente quando vão à guerra, ornando com elas todo o gênero de armas, porque não só levam empenadas as setas, senão também os arcos e rodelas, e as partasanas de pau e pedra que chamam fanga-penas e quando a guerra era naval, empavesavam-se as canoas com asas vermelhas dos guarás, e as mesmas levavam penduradas dos gurupés e maracás das proas; e por isto o Profeta diz que todas estas cousas via e notava como tão novas: chamou as lanças sinos e sinos com asas: Navium alis, cymbalo alarum”. (Bayer Neto, 2003)
Ainda no texto de Bayer encontramos uma passagem interessante quando este cita José Francisco Rocha Pombo que em seu livro Historia do Brasil (Ilustrada) traz uma passagem sobre o maracá.
" Rocha Pombo faz referência de que o Tapuia mais puro teria sido aquele que os portugueses encontraram em Porto Seguro depois da Páscoa de 1500, e declara: “Entre os Tapuias, uma tribo poderosa toma o nome de Maracá e é sem dúvida a nação sagrada: pois um precioso manuscrito da Biblioteca Real que atribuo a Gabriel Soares a coloca nas imediações de São Salvador, privilegiada região que parece ter sido outrora a metrópole selvagem destas nações indianas. Sirva de instrumento para guiar as danças guerreiras, ou represente a divindade, o que é certo é que o nome de maracá se acha. mais ou menos alterado, em grandes números de denominações indígenas. Entre os Tupis, que seguramente o tinham tomado aos Tapuias, era o maracá de um uso menos misterioso e mais geral: era uma simples cabaça (porungo) oval, ornada de penas vermelhas e azuis de arara. Um cabo ornado a atravessava, e agitando-a, o índio fazia retinir na cabaça os grãos (de milho ou de feijão) que lhe punha dentro. Sem arriscar uma hipótese inverossímil, pode bem ser que este fosse destinado a recordar simbolicamente o ruído do trovão, que todos estes povos reverenciavam” (Rocha Pombo). O que se sabe é que o maracá foi o tabernáculo das mais antigas tribos brasileiras, através do qual os indivíduos abriam um espaço ritual para a comunicação com seus deuses, sendo por isso venerado com o respeito devido a um objeto sagrado.

Maracá pode até ter sido o nome original deste continente meridional, que de Amaracá na expressão indígena, segundo Rocha Pombo..." (Bayer Neto 2003)
Como se não bastassem por si só estes trechos para ilustrar a importância que tem o maracá em seu contexto indígena podemos lembrar ainda, que além da tribo Maracá citada por Rocha Pombo, existe ainda um ritual xamanístico entre os Asuriní do Xingu com o nome de Maraká. Este ritual foi estudado pela pesquisadora Regina Polo Müller da UNICAMP e seu texto faz parte da coletânea "Xamanismo no Brasil" lançada pela editora da UFSC.
Apesar do que se esperava no ritual Maraká dos Asuriní, não se usa o maraká, pois "o meio físico através do qual se desencadeia a metamorfose" do xamã da condição humana para a sobrenatural é a fumaça do charuto de tabaco chamado petym. No entanto este ritual tem características similares a "pajelança" de demais grupos indígenas através da representação da doença e do uso de danças e cantos nos seus ritos.
Ainda durante as entrevistas recebemos um relato muito interessante acerca do maracá, que vai introduzir o nosso próximo ponto:
"No romance Iracema, José de Alencar traduz maraká do tupi-guarani como: mara = chifre e ká = combate, "chifre de combate". Seria por se parecer com um chifre e ser usado em combates espirituais? "



O Maracá como arma





São incontáveis os relatos que tratam o maracá como um "objeto de poder", fruto das mais diversas concepções. No entanto para iniciar a observação nesse sentido podemos lembrar que, de acordo com o livro "Normas de Ritual", em um trabalho onde canta-se um hinário inteiro a primeira parte se faz sem instrumentos e é só na segunda parte, depois de um intervalo, que este recebe o acompanhamento dos "músicos"[7] (pessoas que tocam violão, baixo, flauta e outros instrumentos).
No entanto de acordo com as observações feitas, e apesar de todos os relatos serem unanimes no sentido de dizer que os "músicos" só entram após a metade do hinário, o uso do maracá se faz presente a partir do primeiro hino. E sempre serve de acompanhamento a todos os outros hinos até o fim do trabalho, salvo raras exceções, como no caso de ser cantada a missa (conjunto de hinos em homenagem aos mortos, em que se canta com todos sentados, após a reza de um terço e sem o acompanhamento de quaisquer instrumentos) ou o hino da confissão.
Percebe-se, assim, que o imaginário construído a cerca do maracá nos fornece representações contraditórias sobre as características, os usos e funções do mesmo. Assim, o maracá, na mesma medida que é considerado como um instrumento musical, pode assumir uma carga simbólica superior às suas qualidades musicais, como por exemplo ser responsável pela condução do clima do trabalho espiritual, tanto individual como coletivo. E além disso, como podemos constatar, ele pode, ao mesmo tempo, não ser considerado como um instrumento musical , já que aqueles que o tocam não são considerados músicos, como vimos acima. Para ilustrar segue uma serie de relatos dando um panorama de como o maracá passa a ser concebido na exegese nativa.
"Agora sob o ponto de vista espiritual penso que o maracá é um "objeto de poder", ou seja, é apenas um instrumento, não tem o poder de ensinar nada, é uma ferramenta de guerra. Como instrumento de luta é de se ressaltar que o maracá não traz consigo nenhum poder para seu dono, na verdade o seu poder depende de seu possuidor, pois é a pessoa que empresta suas forças para o instrumento e neste caso, o poder depende exclusivamente da atitude mental de quem toca." (Alex Guedes dos Anjos)
"... ele é um ótimo cavalo para quem quer andar no astral, percebi também que rola uma magia de acordo com o movimento que você faz..." (Dário Placid)
"... vi uma palestra sobre xamanismo indígena com o Sr. Inti Roman Quéxua, da tribo quéxua do Peru, onde ele afirmou que certos xamãs levantam sua mão esquerda para captar as energias do cosmo e a mão direita vibram o maracá, espalhando energias positivas sobre o paciente e sobre os locais doentes, afastando assim as influências indesejáveis." (Andrei)
"E em Caxias do Sul para este São João tive que deixar meu maracá de metal, afinadíssimo pelo Adriano Grione da Boca do Acre, no bolso, porque os maracás ali puxados todos eram indígenas, e eu podia distoar. "Silencioso..." (mas eu acho muito difícil ter de bailar com as mãos no bolso ou sem o maracá/arma em mãos!)" (Eduardo Bayer - entrevista por e-mail)
Neste contexto ritualístico podemos dizer que o maracá é um instrumento canalizador de energia, energia esta que tem origem no amor. O amor é a força verdadeira e quando o tocamos é como se emitíssemos correntes de luz que espantam os mal espíritos, "enxotam os malfazejos"[8]. A energia, como sabemos, é positiva e negativa e de ambas correntes precisamos para acender uma luz, assim, também acredito que pelo maracá "espirramos" fluxos negros.
Enfim, o maracá é um instrumento que nos ajuda a fazer nossa "limpeza de mentalidade. (Alex Guedes dos Anjos)
O maracá, então, passa a ser concebido como uma arma que vai influir magicamente sobre os efeitos da bebida com fins específicos. Entre eles podemos dizer que o maracá produz o "som cadenciado favorecedor da expansão da consciência, [além de] oferecer à mente um elemento pregnante (simples, estável, regular e contínuo) de foco [e manter o] contato consciente com o próprio corpo" (Teixeira de Freitas S/ data).
Esta característica de o maracá manter o contato consciente com o corpo pode ser traduzida em dois sentidos. O primeiro seria de que pelo toque o adepto se orienta nos passos que vai dar na dança ritual ou bailado. Em relação ao segundo sentido podemos exemplificar citando o seguinte relato:
"Quanto aos momentos de peia, me refiro a passagens difíceis onde eu como médium despreparada, ficava quase inconsciente e as batidas do maracá me ajudavam a ficar aqui." (Silvia)
Já o aspecto de ser um favorecedor na expansão da consciência pode-se dizer que:
"... ele também colabora na facilitação do transe, pois é através dele que o ritmo é mantido, e as músicas ritmadas desta forma, torna-se uma poderosa redutora de análise, permitindo com mais facilidade as modificações no estado de consciência, isto é, reduzindo o senso crítico e a percepção comum para atingirmos mais facilmente os estados de percepção da realidade não comum [consciência alterada] e claro, absorver as mensagens contidas nos hinos." (Alex Guedes dos Anjos)
Ainda sobre o maracá atuando como expansor da consciência foi-nos cedida uma "dica", que em um trabalho posterior pode ser averiguada:
pesquise a ciclagem do impulso elétrico nos neurônios cerebrais e verá que sua freqüência ótima (40 Hz), ao ser estabilizada por estímulos externos sonoros ou vibracionais induz com facilidade à expansão de consciência e a eventuais estados de êxtase (razão pela qual se usa aqui maracás, lá mantrams, acolá tambores, não sei onde chocalhos e por aí adiante)



Bibliografia
Abramovitz, Rodrigo Sebastian de Moraes. Musica e Miração: uma análise etnomusicológica dos hinos do Santo Daime. Dissertação de Mestrado. UNIRIO, 2003
Araújo, Wladimir Sena. Navegando sobre as ondas do Daime: história, cosmologia e ritual da Barquinha. Campinas/SP: Unicamp
Bayer Neto, Eduardo. O Verdadeiro Inka. Rio de Janeiro, Papel Virtual Editora, 1999. 240 p.
CEFLURIS. Normas de Ritual. Reproduzido pela Regional Nordeste Santo Daime, Recife, 2002
Eliade, Mircea. O Xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. Paris 1951
Fróes, Vera Fernandes. Santo Daime Cultura Amazônica.História do Povo de Juramidam. Manaus: SUFRAMA, 1986.
Garulo, Pablo. A Fenomenologia do Transe in: Revista de Parapsicologia número 25 elaborada pelo CLAP, s/ data.
Gennep, Arnald van. Os ritos de passagem. Pétropolis, Vozes, 1978.
Groisman, A., 1996. Santo Daime: notas sobre a "Luz Xamânica" da Rainha da Floresta. In: Xamanismo no Brasil, Novas Perspectivas (E. J. M. Langdon, org.), pp. 333-352. Florianópolis: Editora da Ufsc.
Groisman, Alberto. Eu venho da Floresta: ecletismo e práxis xamânica daimista no Céu do Mapia. Dissertação de mestrado em Antropologia Social – Ufsc. Florianopolis, 1991.
Guimarães, Maria Beatriz Lisboa. A lua branca de seu Tupinambá e de mestre Irineu: estudo de caso de um terreiro de Umbanda. Rio de Janeiro, Ufrj, dissertação de mestrado, 1992.
James, Willian. The varieties of religious experience. Nova York, Modern Library, 1929.
Lewis, Ioan M. Extase religioso: um estudo antropológico da possessão por espírito e do xamanismo. SP, Perspectiva, 1977.(1971)
MacRae, Edward. Guiado pela Lua. Xamanismo e o uso ritual da ayahuasca no culto do Santo Daime. São Paulo, Brasiliense, 1992.
Mauss, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Razão e troca nas sociedades arcaicas, in Sociologia e antropologia. São Paulo, EPU/Edusp, 1974.
Monteiro da Silva, Clodomir. O palácio de Juramidam. O Santo Daime: um ritual de transcendência e despoluição. Recife, Ufpe, dissertação de mestrado, 1981.
Monteiro da Silva, Clodomir., 1985. Ritual de Tratamento e Cura. Santarém: I Simpósio de Saúde Mental da Amazônia, Sociedade Brasileira de Psiquiatria e Sociedade Paraense de Psiquiatria.
Monteiro da Silva, Clodomir. O uso ritual da ayahuasca e o reencontro de duas tradições. In: O Uso Ritual da Ayahuasca (B. Labate & W. Sena Araújo, orgs). Campinas: Mercado de Letras.
Müller, Regina Polo. Maraká, ritual xamanístico dos Asuriní do Xingu, In: Xamanismo no Brasil - Novas Perspectivas (E. Jean Matteson Langdon) Florianopolis: Editora da UFSC, 1996
Ott, Jonathan. Ayahuasca analogues – Pangean Entheogens Natural Products Co., 1994
Shanon, Benny. Cognitive psychology and the study of ayahuasca, In: O Uso Ritual da Ayahuasca (B. Labate & W. Sena Araújo, orgs). Campinas: Mercado de Letras. 1997
Teixeira de Freitas, Luis Carlos. Sem titulo. S/ Editora, S/ Local, S/ Data. (no prelo)
Turner, Victor W. O processo Ritual – Estrutura e anti-estrutura. In: Antropologia 7, s/ data.
Velho, Yvonne Maggie. Guerra de Orixá: um estudo de ritual e conflito. RJ, Zahar, 1975






0 comentários:

Artes Xamânicas Copyright © 2008 /2015.



Todos os direitos reservados.


nativepipee@gmail.com


tels.:11-37941338 ou 11-993683570