A Profecia das duas serpentes


Uma lenda da tribo Kanienkehaka
Por Artes Xamânicas


A história conta que há muito tempo, antes que o tempo que os europeus chegaram à América, dois caçadores saíram sobre a água grande para procurar um novo território de caça. A caça foi escassa em Kanienkehaka, e eles esperavam encontrar mais comida para além do horizonte, a leste.

Estes dois caçadores Estabeleceram na canoa um jogo para ficarem mais ricos.
Depois de terem ido além do limite do horizonte, eles notaram um brilho ao longe. Eles aceleraram seu remo e tiveram uma visão muito estranha. Lá na água viram duas serpentes pequenas, uma de ouro e uma prata. Essas serpentes eram brilhantes e transformaram o céu em cores maravilhosas.

Os dois caçadores foram surpreendidos com a beleza das serpentes. Eles não queriam deixá-las na água com medo que elas se afogassem ou fossem comidas por um peixe grande. Eles sabiam que, se essas serpentes fossem levadas de volta à sua própria nação, o povo se admiraria com as serpentes e os homens seriam chamados de dois caçadores de grande habilidade e ousadia. Eles remaram até perto das serpentes e colheram-nas em sua canoa.

Antes dos dois caçadores voltarem à sua aldeia, as pessoas puderam vê-los se aproximando da grande luz que brilhava das serpentes.
Quando os caçadores chegaram as suas casas com o prêmio, as pessoas ficaram impressionadas com a captura. Todos se aglomeraram em torno das serpentes para assistir à bela luz que exalava.

As pessoas manteram as serpentes em uma canoa extra. Elas foram alimentadas diariamente, e logo começaram a comer 24 horas do dia. Elas cresceram ficando muito grande para a canoa, e tiveram que ser transferidas para uma jaula construída especialmente para esse fim.
No início as serpentes foram alimentadas com mosquitos, moscas e outros insetos. À medida que aumentava comiam pequenos animais como coelhos, guaxinins e ratos. Logo elas ficaram tão grandes que precisavam ser alimentadas por veados e alces.

Um dia, as serpentes se tornaram tão grandes que elas conseguiram escapar de sua jaula. Elas atacaram as crianças e engoliram um punhado delas inteiras. As pessoas estavam em circunstâncias terríveis. Elas podiam ver as crianças se mexendo nas entranhas do ouro e de prata das enormes serpentes.

Eles atacaram essas serpentes com os tacapes, com flechas e lanças, mas sem sucesso. As serpentes continuaram a assolar a aldeia, matando mais e mais das pessoas e engolindo mais crianças.
Finalmente, elas deixaram a aldeia e foram para o mato.

As pessoas lutavam entre si quanto ao que fazer. Eles não poderiam concordar quanto ao que foi a melhor maneira de parar as serpentes. Eles lutaram até que se tornou demasiado tarde e as serpentes desapareceram.
A serpente de ouro foi para o sul, e a de prata para o norte.

Essas serpentes deixaram pistas de onde quer que fossem. Elas atravessaram montanhas e bloquearam os rios. Elas mataram todos os animais, onde quer que fossem, nem sempre parando para comer a carne. Quando as serpentes se aproximavam de uma montanha, em vez de ir à sua volta ou por cima, elas se infiltravam no meio. As serpentes deixaram rastros de sujeira e destruição onde quer que fossem. Elas envenenaram as águas, as florestas morreram e fizeram a terra um lugar feio e estéril.

Um dia, um caçador da terra do Kanienkehaka viu a serpente de ouro. Ela era do tamanho de uma montanha e se dirigia para o país Mohawk mais uma vez.
Da mesma forma desceu do norte a serpente de prata que tinha crescido e ela também estava indo para a terra dos Kanienkehaka.

Um dia, as duas serpentes poderiam ser vistas da primeira aldeia, de onde tinham vindo a trezentos anos antes. Novamente o povo discutiu e argumentou. Eles não poderiam concordar quanto à melhor maneira de matar as serpentes. As pessoas se lembravam das lendas das serpentes, e como elas comeram os filhos de seus antepassados e fugiram para as montanhas.

Uma vez nas montanhas, o povo lembrou que foi dito pelo Criador, que o dia viria quando um menino poderia mostrar-lhes o caminho para matar as duas serpentes.
O menino ia fazer um arco de salgueiro. A corda do arco seria feita a partir do cabelo das mães do clã. Uma seta seria feita de uma muda em linha reta e ponta com a pedra branca da Kanienkehaka.

Com esta seta e este arco foi dito que os Kanienkehaka iriam proteger-se das duas serpentes dos Estados Unidos e Canadá.

0 comentários:

Artes Xamânicas Copyright © 2008 /2015.



Todos os direitos reservados.


nativepipee@gmail.com


tels.:11-37941338 ou 11-993683570