Tlaloc, o Deus da chuva.

Por Artes Xamânicas

Tlaloc era o deus da chuva e da umidade. Em um país como o México, onde o sucesso ou insucesso das colheitas depende inteiramente da natureza abundante, ou não, a chuva, ele seria prontamente concedido de uma divindade de grande importância. Acreditava-se que ele fez a sua casa nas montanhas que circundam o vale do México, já que estes eram a fonte da precipitação local, e sua popularidade é atestada pelo fato de que as representações esculpidas dele ocorrer com mais freqüência do que as de qualquer outro das divindades mexicano. Ele é geralmente representado em uma postura semi-reclinada, com a parte superior do corpo levantada sobre os cotovelos e os joelhos meio dobrados, provavelmente para representar o caráter montanhoso do país de onde vem a chuva. Ele estava desposado com Chalchihuitlicue (Senhorita Esmeralda), que lhe deu uma descendência numerosa, o Tlalocs (nuvens). Muitas das figuras que representavam lhe foram esculpidos em pedra verde chamada chalchiuitl (jadeite), para tipificar a cor da água, e em alguns destes foi mostrado segurando a serpente de ouro para representar o relâmpago, a água-deuses são muitas vezes estreitamente identificada com o trovão, que paira sobre as colinas e acompanha fortes chuvas. Tlaloc, como seu protótipo, o Deus Kiche Hurakan, manifestou-se em três formas, como o relâmpago, o trovão e o raio. Apesar de sua imagem diante do leste, onde era suposto ter-se originado, ele foi adorado como que habitam os quatro pontos cardeais e cada topo de montanha. As cores dos quatro pontos cardeais, amarelo, verde, vermelho e azul, de onde veio a chuva e ventos, entrou na composição de seu traje, que foi posteriormente cruzado com raias de prata, tipificando as torrentes de montanha. Um vaso contendo toda descrição de grãos normalmente era colocado antes de seu ídolo, uma oferta do crescimento que se esperava que ele frutificasse. Ele morava em um regado paraíso chamado Tlalocan (o país de Tlaloc), um lugar de abundância e fertilidade, onde aqueles que tinham sido afogados ou atingidos por um raio ou morreram de doenças hidrópicas apreciavam felicidade eterna. Aquelas pessoas comuns que não morreram tais mortes foram para a residência escura do Mictlan, a que tudo devora e Senhora sombria da morte. (Paraiso Tlaloc)

Nos manuscritos nativos Tlaloc geralmente é retratado como tendo uma tez morena, olhos grandes, redondos, uma fileira de dentes e sobre os lábios uma listra azul angular curvado para baixo e enrolado nas pontas. O último personagem é suposto ter sido desenvolvido originalmente da bobinas de duas serpentes, a boca com dentes longos na região do maxilar superior, no meio do lábio superior. A cobra, além de ser simbolizada por um raio em muitas mitologias americanas, é também simbólica de água, que está bem caracterizado em seus movimentos sinuosos.
Muitas moças e crianças foram sacrificadas anualmente a Tlaloc. Se as crianças choravam, era considerado como um presságio feliz para uma estação chuvosa. O Etzalqualiztli (Quando eles comem feijão na Alimentação) foi seu principal festival, e foi realizada em uma aproximação do dia 13 de maio, sobre o qual data a estação chuvosa geralmente iniciava. Outra festa em sua honra, o Quauitleua, iniciou o ano mexicano em 2 de fevereiro. Na festa anterior, os sacerdotes de Tlaloc mergulhavam em um lago, imitando os sons e movimentos de sapos, que, como habitantes de água, estavam sob a proteção especial de Deus. Chalchihuitlicue, sua esposa, muitas vezes era simbolizada pela pequena imagem de um sapo.

0 comentários:

Artes Xamânicas Copyright © 2008 /2015.



Todos os direitos reservados.


nativepipee@gmail.com


tels.:11-37941338 ou 11-993683570