O Corvo



Athapascan
Recontada de uma história no Journal of American Folk-Lore, 1900.
Traduzido e adaptado por Artes Xamânicas.


Entre um número de tribos Athapascan falando da costa noroeste do Alasca, o Corvo não é apenas um poderoso criador sobrenatural, mas também um trapaceiro.

********

Era uma vez um velho casal que desejava ver sua única filha casada com um homem rico. Quando alguém chegou a seu acampamento, o velho mandou seu filho para baixo para o desembarque para contar as contas de osso no estranho vestuário, para que ele pudesse ser recebido de acordo com sua classificação.

Um dia, o menino veio correndo dizer que um homem tinha chegado e que iria fazer um bom irmão-em-lei, pois ele tinha um grande número de grânulos finos.
A mãe foi até a beira do rio e viu um estranho ricamente vestidos que ela também pensou que iria fazer um marido adequado. Ela percebeu que a terra estava molhada e enlameada, então ela pegou algumas cascas e rasgou-as em tiras para o estrangeiro para andar em cima.
Ela o convidou a entrar no seu tipi e ele sentou ao lado da menina.
O visitante apontou para um cachorro que foi amarrado no canto da tenda e disse:
"Eu não posso comer enquanto o animal está aqui."
Pensar que apenas um personagem muito grande seria tão especial, a mulher levou o cão para a floresta e matou-o.

Na manhã seguinte, ela foi para a floresta, e percebeu que a terra ao redor do corpo do cão, foi marcado com faixas de aves e que os seus olhos tinham sido arrancados.
Ela voltou para o acampamento e insistiu para que todas as pessoas tirassem seus mocassins e mostrassem seus pés, porque tinha ouvido dizer que o Corvo poderia enganar as pessoas, aparecendo em forma humana.
O estranho, que era de fato o Corvo, tirou seus mocassins e colocou-o novamente tão rápido que seus pés de pássaro não foram notados.

A garota havia concordado em se casar com o Corvo, e exigiu que ela fosse com ele de uma vez, antes que ele pudesse ser encontrado. Prometendo que voltaria em poucos dias, ele levou sua noiva para baixo de sua canoa.

Assim que o casal partiu para baixo do rio, começou a chover. O Corvo estava sentado na frente da mulher, quando ela percebeu que a chuva estava lavando algo branco das suas costas. Isso comprovou a sua suspeita, e ela resolveu fugir.
Rapidamente, ela conseguiu amarrar a ponta do casaco do Corvo em uma barra da canoa. Então ela pediu para ir em terra por um minuto, dizendo que ela viria de volta. O marido disse-lhe para não ir longe, mas ela começou a correr para casa fora de vista, por entre as árvores.

Depois de um tempo o Corvo decidiu segui-la. Ele descobriu que sua cauda foi amarrada, e para se livrar ele teve que retomar a sua verdadeira forma. Como ele voou sobre a garota, ele gritou:
"Uma vez mais irei enganar você", em seguida, grasnou e voou para longe.

A menina chegou em casa em segurança e disse à mãe que seu marido rico era o Corvo, que tinha vindo a eles coberto com cal, que a chuva tinha derretido.

O Corvo sempre enganando o povo,finalmente teve seu bico arrancado.
Depois de algum tempo ele subiu o rio e fez uma jangada, que ele carregou com musgo. Flutuando para baixo pelos campos, ele disse ao povo que sua cabeça foi ferida quando seu bico tinha sido arrancado, e que ele estava deitado no musgo para resfriá-lo.
Então ele voltou á subir o rio e fez várias jangadas iguais.
Quando o povo viu estes flutuando para baixo na direção deles, eles pensaram que um grande grupo de guerreiros estava vindo para ajudar a recuperar o bico do Corvo. Eles reuniram um conselho e decidiram enviar um jovem para devolver o bico de uma velha senhora que morava sozinha em uma certa distância do acampamento.

O Corvo, que se escondeu no meio deles e ouviu os planos do conselho, esperou até que a menina voltar.
Ele foi até a velha e disse-lhe que a menina queria que ela devolvesse o bico para ele.

Sem suspeitar nada, a velha deu-lhe o bico. Ele colocou-o e voou para longe, grasnando com prazer em seu sucesso.
Os guerreiros pegaram as jangadas e comprovaram não ser nada, mas os tufos de Crista e musgo do pântano que são comumente conhecidas como " tetes de femmes ".

0 comentários:

Artes Xamânicas Copyright © 2008 /2015.



Todos os direitos reservados.


nativepipee@gmail.com


tels.:11-37941338 ou 11-993683570